quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Catolicismo e a Teoria da Evolução

O tema é polêmico. E a polêmica se deve muito mais à ignorância e a má vontade para com a Igreja que realmente por alguma imposição dogmática que vá contra a ciência.

Porque a posição da Igreja neste ponto sempre foi muito equilibrada e de cautela. Qualquer pessoa que se interessar em verificar e for ao google e digitar "A Igreja Católica e a teoria da evolução" terá uma série de esclarecimentos neste sentido (conferir em http://hypescience.com/vaticano-afirma-que-teoria-da-evolucao-e-compativel-com-o-criacionismo/só para citar dois meios de comunicação não-Católicos).
E o documento papal a tratar do assunto diretamente nem é tão recente assim! A encíclica papal Humanis Generis completou 62 anos no último dia doze de Agosto (conferir o documento no link http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/encyclicals/documents/hf_p-xii_enc_12081950_humani-generis_po.html) e que vem sendo mal interpretada particularmente para com pessoas que tenham extrema má vontade com a Igreja, preferindo botar sua fé em teorias acidentais formuladas totalmente ao acaso e contrárias inclusive a nossa ciência experimental que tem declarado através de seus próprios defensores a total impossibilidade de se comprovar com segurança a sua veracidade.

Pois neste "Resposta Católica" número 105 e muito oportunamente o Padre Paulo Ricardo explica magistralmente a posição Católica frente às pesquisas e aos avanços científicos nesta área. Aconselho entusiasticamente a todos assistir este vídeo, o qual me darei ao trabalho de transcrever nas próximas postagens por julgá-lo extremamente oportuno e bem construído. 
Confira a gravação no link http://youtu.be/pPqBmfZM0g4.


No "Resposta Católica" de hoje gostaríamos de responder a pergunta se é possível um Católico defender a teoria da evolução. 

A resposta é que depende. Depende do que você entende por 'teoria da evolução'. Vamos então começar por algumas balizas já bastante claras colocadas pelo Magistério da Igreja. Vamos partir da encíclica "humani generis" do Papa Pio XII.Se você tem o Denzinger Schonmetzer (para consultá-lo on line você pode abrir uma conta no aplicativo google books e criar a sua biblioteca particular ou clicar no link http://books.google.com.br/books?id=GHbekht0_ToC&pg=PA1433&lpg=PA1433&dq5qTr7qO8rI0AGEvdziBA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=5&ved=0CDkQ6AEwBA#v=onepage&q&f=false e apertar as teclas ctrl+f - para abrir a caixinha de pesquisa) você pode encontrar a partir do número 3896. Ali o Papa Pio XII coloca muito clara a posição da Igreja, que ela não quer intervir no debate científico.

O Papa, porém, exorta para que os cientistas sejam cautelosos com relação a certas hipóteses. Gravem bem a palavra "hipóteses" porque ela vai voltar ao longo do nosso vídeo. 

Muito bem! Pio XII então diz o seguinte: "O magistério da Igreja não proíbe nas investigações e disputas de os homens doutos de ambos os campos se trate da doutrina do evolucionismo que busca em matéria viva pré-existente a origem do corpo humano." 
Então que o nosso corpo tenha vindo do barro ou tenha vindo de uma matéria viva que existia antes isso para nós é absolutamente indiferente!

Sabe por que? Porque o Deus criador do céu e da terra pode ter criado as coisas já prontas e feitas, do jeito que nós vemos aqui ou então pode ter criado estas coisas aos poucos, lentamente. A Igreja crê no fato que Deus criou mas não impõe o como Deus fez aquilo que nós temos aqui. Isso podemos tranquilamente deixar para a investigação científica.

Uma coisa que Pio XII quer deixar bem claro é o fato de que a origem do corpo humano matéria - é uma coisa - mas quando nós começamos a falar da origem da alma aí nós já estamos pisando num terreno que não é objeto de investigação da ciência natural. Quando nós falamos de alma humana quem pode falar desta matéria é a filosofia e a teologia e não o biólogo.

Então a alma humana - a Igreja deixa bem claro - ela é proveniente de um intervento direto de Deus, ou seja, de uma criação Divina.

Sendo assim o Papa deixa as balizas bem claras para que então aconteça o debate científico.


Mas isso foi em 1950! Depois de 46 anos o bem aventurado Papa João Paulo II resolveu colocar novamente a colher no caldeirão! E ele escreveu uma carta - já não uma carta encíclica como Pio XII e que tem um nível de autoridade bem mais elevado. Ele simplesmente escreveu uma carta para a Pontifícia Academia de Ciências Nessa carta ele trata da teoria da evolução e diz que por aquilo que ele vê a comunidade científica chegou a um ponto em que a teoria da evolução já não é mais uma simples "hipótese" - como dizia Pio XII - mas que já seria algo de mais consistenteÉ evidente que isto causou em alguns cientistas Católicos e outros cientistas até evangélicos cristãos de diversas religiões uma certa consternação.

Por que?
Porque ao longo do tempo se desenvolveu uma outra hipótese científica que seria a hipótese do chamado inteligent design (http://law2.umkc.edu/faculty/projects/ftrials/conlaw/evolution.htmou seja do projeto inteligente. Sendo assim dentro do campo científico nós temos agora um debate e o debate é este. Nós estamos falando de um projeto inteligente em que uma inteligencia Divina fez com que as coisas mudassem mais com a sua intervenção direta, gradual, pedagógica; e providencial e uma outra hipótese a hipótese que as coisas evoluíram um pouco aleatoriamente sem tantas intervenções de Deus sempre admitindo que estamos falando de um Deus Criador que criou princípios, criou princípios, criou leis e que estas leis já dariam conta de explicar esta evolução das coisas. São duas hipóteses científicas.

Nós Católicos não temos dificuldade nenhuma com estas duas hipóteses. Elas subsistem e conflitam entre si.

É claro que esta posição do bem-aventurado Papa João Paulo II não queria resolver este debate científico. O Papa João Paulo II não era nenhum ingênuo! Ele simplesmente estava admitindo para a comunidade científica que as coisas não eram tão hipotéticas, assim remotas do jeito que Pio XII colocava. O Papa quis demonstrar para a comunidade científica que a Igreja Católica leva a sério aqueles cientistas que defendem a teoria da evolução e que as coisas não seriam tão remotas.

Mas a Igreja - como sempre - Ela se abstém de fazer juízos científicos.

Se você quiser ler um pouco mais a esse respeito você pode acessar a um documento da Pontifícia Comissão Teológica Internacional. A Comissão Teológica Internacional publicou em 2004 um documento com o nome Comunhão e Serviço à Pessoa Humana Criada a Imagem de Deus http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_con_cfaith_doc_20040723_communion-stewardship_po.html). A partir do número 62 até o número 70 o documento fala da ciência e da administração do conhecimento. Ali se colocam as várias contribuições da Teologia para que o Católico veja com clareza que não há dificuldade de harmonizar a fé Católica com a Teoria do Big Bang, por exemplo, e harmonizar a fé Católica com a Teoria de um Evolucionismo, desde que seja um Evolucionismo Teísta, ou seja, um Evolucionismo que admite um Deus Criador e um Deus que, a qualquer momento, pode intervir na Criação.


Pois bem, seja como for, aqui nós estamos diante de problemas científicos. Como você sabe eu não sou um cientista em termos de ciências naturais. O meu campo é a filosofia e a teologia. Mas se me é permitido dar uma opinião de minha parte eu tenho sérias dificuldades com o evolucionismo mesmo que seja Teísta. 

Por que?
Porque os argumentos do grupo do Inteligent design - ou seja, do projeto inteligente - são argumentos que até agora não foram rebatidos com clareza. Por exemplo, quando nós vemos que o registro fóssil ainda é insuficiente, que nós não temos uma linha de coerência naquilo que é a teoria do evolucionismo, ou seja, a especiação, a passagem de uma espécie para outra, quando nós, por exemplo, temos situações como as complexidades irredutíveis e assim por diante. 

Eu não quero entrar aqui no debate científico. Só quero colocar a minha posição e dizer que tenho dificuldades pessoais com o evolucionismo.

Mas o Papa João Paulo II e o Magistério da Igreja deixa aos cientistas a total liberdade para debaterem entre si e para se perguntarem qual é o processo que Deus utilizou para trazer o mundo a esta harmonia que nós hoje contemplamos.

Uma última nota que é o seguinte: não podemos ser, porém, ingênuos quando nós falamos a respeito de 'teoria da evolução'.

Por que?
Porque enquanto nós Católicos não temos dificuldade de admitir que Deus criou as coisas todas prontas de uma vez só ou as criou aos poucos, para os ateus a teoria da evolução é uma coluna mestra, para nós, para eles necessária e muito, muito, extremamente importante.
Por que?

Porque se não existe um Deus não existe só existe uma alternativa: as coisas terem vindo a serem o que são através do mero acaso e de uma seleção natural. É por isso que quando nós falamos deste debate a respeito da 'teoria da evolução' nós estamos diante de uma parte que é bastante beligerante que são os ateus. Nós não temos dificuldade de analisar as duas hipóteses mas os ateus tem aqui a sua única tábua de salvação porque, como explicar o mundo se não há um Deus?

Então aqui não sejamos ingênuos! Porque nem todas as pessoas que estão neste debate científico estão realmente de boa vontade e isentas. Algumas estão simplesmente defendendo o seu credo ateísta. E por isso precisam desesperadamente colocar certezas onde na verdade nós só temos teorias.
fonte: padrepauloricardo.org

Nenhum comentário: